sábado, janeiro 06, 2007

Vale a pena

Textos destes valem a pena ler:

"A campanha do aborto está na rua e todos os dias, lamentavelmente, os adeptos do "sim" irão perder votos. A experiência que temos de 1998 é que o debate à volta da questão, o ruído e o confronto afastam os eleitores e transferem votos do sim ou dos indecisos para o não e a abstenção (as sondagens já estão a reflectir essa realidade).
Há várias possibilidades de explicação: é difícil, numa campanha, conseguir passar a mensagem de que uma pessoa que seja contra o aborto pode ser favorável à despenalização. Encontraremos certamente mulheres que abortaram clandestinamente, a defenderem o voto "não", por serem contra o aborto e, inclusivamente, o serem no momento em que abortaram, ou por estarem arrependidas de ter abortado, numa esquizofrenia jurídica mas absolutamente humana.
A questão não vai ser simples e mexe com muitos sentimentos, pavores e culpas, educação e cultura religiosa. Os adeptos do "sim" sabem que não vai ser fácil explicar aos indecisos que não têm de passar a ser defensores do aborto para serem defensores da despenalização. E também vai ser difícil explicar aos que são contra o aborto mas contra a condenação das mulheres que, para conseguirem evitar que as mulheres sejam condenadas, precisam mesmo de votar "sim". Aos defensores do "sim" este discurso parece incongruente, mas não o é para os defensores do "não" que conseguem - tantos e quantas vezes - ser contra a condenação das mulheres que abortam e defender o "não", ou seja, que essa condenação se mantenha na lei. É um absurdo jurídico, mas é partilhado por eminentes figuras.
O debate público e o extremar dos argumentos são prejudiciais ao "sim", o ruído e a discussão inflamada afastam os indecisos. Estas são as condições objectivas. O "sim" tem um caminho de grande delicadeza a percorrer e mesmo o mais justo dos discursos pode fazer perder votos. É uma luta dura, onde do outro lado estão convicções religiosas.
Quando Teixeira Lopes, amável dirigente do Bloco de Esquerda, em vez de agradecer a Rui Rio a sua bem-vinda participação na campanha do "sim", se preocupa com o "branquear da imagem" que poderá resultar da sua adesão a um movimento, mostra que não percebeu nada do que está em jogo. Ou pior: deu a entender que, acima da causa da despenalização, para o Bloco estará a sua coutada de causas exclusivas e rentáveis. O que é péssimo, para as causas todas. "
Ana Sá Lopes no DN de ontem.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial