terça-feira, outubro 31, 2006

Enfim, um post sobre o aborto...

Tinha jurado a mim próprio que não ia postar aqui nada sobre o tema do aborto a não ser o alerta sobre a importância de se dizcutir o assunto com seriedade que fiz aqui à uns tempos, e que claramente ninguém me ouviu, se não não teria havido aquela peixeirada que houve ontem no Prós e Contras (e vejam lá que eu até conhecia alguns que tavam a fazer de claque) e que só afasta as pessoas do debate sobre o tema.
Acho, e sempre hei-de achar que o tema deve ser discutido com seriedade e elevação, porque o que está em questão não são só questões ideológicas , mas questões da vida humana, seja da mulher, seja do nascituro.
É óbvio (pelo menos eu acho) que ninguém faz um aborto porque lhe dá na real gana, é preciso um estar num estado psicologicamente extremo para se submeter a uma intervenção que causa danos não só fisicos, como também psicológicos. É por isso que eu vou votar SIM no próximo referendo, não porque entenda que o aborto deve ser uma prática recorrente, mas porque, como já o disse é preciso a mulher estar numa situação limite para se submeter a ele, e não aceito que ela , a posteriori seja submetida a um julgamento público por o ter praticado e ainda cumprir uma pena de cadeia por isso.
Se sou contra o aborto sou contra a penalização pelo facto de se abortar, por isso é que igualmente critico esta proposta do PS, porque retira as comissões de acompanhamento, porque deixa a opção de abortar à livre decisão da mulher, porque não prevê uma séria educação aos jovens sobre este tema e muitos outros relacionados com o sexo, e porque vai entregar ás clínicas privadas a responsabilidade que os hospitais publicos deviam ter.
Mas mesmo com estas críticas voto sim, porque tem que se acabar com os julgamentos mediáticos, coma humilhação das mulheres em praça pública, com os aproveitamentos político-partidários cada vez que há um julgamento. porque defendo a dignidade da mulher. E já que o PS prefere levar este tema a referendo (o que eu disciordo) ao menos que as pessoas se lembrem do que é que estão a discutir enão se lembrem apenas dos seus "umbiguinhos" e da notoriedade que podem alcançar com este debate.
Espero apenas que o referendo sirva para despenalizar o aborto, porque, sinceramente, não que roo meu voto seja desvirtuado e que se assista a uma liberalização da prática do aborto.

segunda-feira, outubro 30, 2006

O SOL

Devo confessar que comprei a 1ª edição do semanário SOL. Li, fiz comparações, reli, não gostei e não voltei a comprar. Não gostei do jornalismo agressivo, das histórias da treta e de andarem sempre a tentar denegrir o Expresso, como se não tivessem argumentos por si só para vencerem.
Hoje, 6 semanas depois, decidi ler a edição on-line do 1º caderno para ver porque é que as vendas têm vindo a descer. Voltei a não gostar, aliás, acho que desta vez detestei mesmo.
Vejamos:
- um editorial horrível, aliás não sei onde é que JAS tinha a cabeça, falar da afirmação das mulheres (como se ainda ninguém tivesse dado conta) e como a f. se consegue afirmar sobre o Sócrates. Valha-nos Deus...
- depois estão até à página 12 a cascar no Governo. Acusam-no de fazer o Orçamento mal e á pressa; cascam no Mário Lino e nas Scuts; no Correia de Campos (não é que não mereça), etc etc
- vejam lá, dedicam meia página ao fecho de uma loja chinesa em lisboa, mas em apenas um quadradinho resumem o chumbo do vice-PGR e a declaração de voto de um dos conselheiros;
- o que é aquele cartton?
- na página 30 começa a versão "O-SOL-vai-ao-Correio-da-Manhã";
-que antecede "o-SOL-gostava-de-ser-como-o-24Horas-mas-só-tem-a-Margarida-Rebelo-Pinto" que Vai da página 46 à 54;
- para acabar MRS conta a sua fantástica semana, todos os eventos a que foi, todas as aulas que não deu, todos os programas de tv que viu e toda a crónica para o SOL que se esqueceu de fazer e então decidiu partilhar connosco a sua semana.

Espera-se pelo próximo fim-de-semana para ver como reage o mercado sem DVD's.

domingo, outubro 29, 2006

Como viver sem mulheres?

É uma grande questão.
A resposta mais fácil seria: muito bem, afinal se elas vivem sem nós, nós também vivemos sem elas.
Pois, seria a resposta fácil, aquela que nós usaríamos para nos defendermos, para nos sentirmos fortes, para provarmos o machismo, sim, se elas nos quiserem que venham atrás de nós que nós estamos muito bem sem elas.
Mas na realidade bem sabemos que isso é uma mentira pegada!
No fundo nós precisamos delas, precisamos de afectos, de carinho, de uma pessoa que esteja junto a nós para os bons e os maus momentos. Não precisa de ser uma namorada, uma esposa, precisa de ser "ela", porque lá bem no fundo sabemos que elas são as que nos comprendem melhor, seja a nossa mãe, irmã, avó, amiga, colega, etc etc.
Podemos viver sem elas?
Não!
Não, porque somos seres sociais, seres que vivem de relações e afectos.
Nós somos os "machos", os insensiveis, os brutos, os autónomos, etc, etc, etc.Mas quando precisamos, todos estes "grandes valores" vão abaixo e lá vamos à procura de conforto nos braços delas.
Sim, porque se se diz que um homem não chora têm que o ver a desabafar com uma mulher.
Enfim, nós precisamos delas e elas de nós, é assim que nós funcionamos, independentemente do que se diga!

sábado, outubro 28, 2006

No Fundo....

...o Dragão vai ser sempre melhor que os "piriquitos"!

Critérios (3)

Finalmente! Após 5 semanas consecutivas um telejornal refere-se às investigações do EXPRESSO sobre os voos da CIA. Já estava na altura não?

sexta-feira, outubro 27, 2006

A começar o dia

Constatação do dia

Ter um blogue exige tempo, e o tempo é um recurso muito escasso!

quinta-feira, outubro 26, 2006

Só neste país (um post de indignação social)

Só neste país é que se está uma semana inteira sem telefone e sem internet durante duas semanas por culpa do servidor e ao final do mês tem que se pagar como se nada tivesse acontecido e a utilização fosse a normal.

Só neste país é que os comboios se atrasam mais de meia-hora e nem uma justificação se passa e onde ainda se responde "ora, viesse mais cedo!"

Só neste país é que se compram autocarros com mais de 12 anos e que cada vez que param numa paragem têm que estar 2 minutos a aquecer antes de arrancarem (transportes alternativos, sim, pois).

Só neste país é que os magnânimes professores catedráticos , além de não darem aulas (os assistentes que tratem disso) passam anos e anos sem actualizarem livros e estudos e mesmo assim não têm qualquer penalização por isso.

Só neste país é que se está sempre a dizer que a culpa é sempre do Estado, o Estado é que devia fazer, se acontece a culpa a do Estado, se não acontece a culpa é do Estado, se a minha filha engravida é cupa do Estado......

Só neste país é uma pessoa anda anos e anos com um processo judicial e no final as custas judiciais têm quase o mesmo valor que a indemnização pedida.

Enfim, desculpem lá este desabafo, mas o dia não correu mesmo bem.....

sábado, outubro 21, 2006

De volta!(2)

De certo que estranharam a minha ausência. Pois é, com aquela fantástica trovoada de terça-feira, a minha net foi-se à vida. E tive nem mais nem menos desde esse dia até hoje para que uma alma caridosa me viesse por um modem novo, a juntar que igualmente não tinha telefone e que a televisão só voltou na quinta. Foi uma autêntica viagem ao princípio do século passado.

*
Mas adiante com uma nota de optimismo (que é uma das minhas características, embora não pareça). Então, escreve assim Nicolau Santos na Revista Exportar:
"Eu conheço um país que tem uma das mais baixas taxas de mortalidade de recém-nascidos do mundo, melhor que a média da União Europeia.
Eu conheço um país onde tem sede uma empresa que é líder mundial de tecnologia de transformadores. Mas onde outra é líder mundial na produção de feltros para chapéus.
Eu conheço um país que tem uma empresa que inventa jogos para telemóveis e os vende para mais de meia centena de mercados. E que tem também outra empresa que concebeu um sistema através do qual você pode escolher, pelo seu telemóvel, a sala de cinema onde quer ir, o filme que quer ver e a cadeira onde se quer sentar.
Eu conheço um país que inventou um sistema biométrico de pagamentos nas bombas de gasolina e uma bilha de gás muito leve que já ganhou vários prémios internacionais. E que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial, onde se fazem operações que não é possível fazer na Alemanha, Inglaterra ou Estados Unidos. Que fez mesmo uma revolução no sistema financeiro e tem as melhores agências bancárias da Europa (três bancos nos cinco primeiros).
Eu conheço um país que está avançadíssimo na investigação da produção de energia através das ondas do mar. E que tem uma empresa que analisa o ADN de plantas e animais e envia os resultados para os clientes de toda a Europa por via informática.
Eu conheço um país que tem um conjunto de empresas que desenvolveram sistemas de gestão inovadores de clientes e de stocks, dirigidos a pequenas e médias empresas.
Eu conheço um país que conta com várias empresas a trabalhar para a NASA ou para outros clientes internacionais com o mesmo grau de exigência. Ou que desenvolveu um sistema muito cómodo de passar nas portagens das auto-estradas. Ou que vai lançar um medicamento anti-epiléptico no mercado mundial. Ou que é líder mundial na produção de rolhas de cortiça. Ou que produz um vinho que "bateu" em duas provas vários dos melhores vinhos espanhóis. E que conta já com um núcleo de várias empresas a trabalhar para a Agência Espacial Europeia. Ou que inventou e desenvolveu o melhor sistema mundial de pagamentos de cartões pré-pagos para telemóveis. E que está a construir ou já construiu um conjunto de projectos hoteleiros de excelente qualidade um pouco por todo o mundo.
O leitor, possivelmente, não reconhece neste País aquele em que vive - Portugal. Mas é verdade. Tudo o que leu acima foi feito por empresas fundadas por portugueses, desenvolvidas por portugueses, dirigidas por portugueses, com sede em Portugal, que funcionam com técnicos e trabalhadores portugueses. Chamam-se, por ordem, Efacec, Fepsa, Ydreams, Mobycomp, GALP, SIBS, BPI, BCP, Totta, BES, CGD, Stab Vida, Altitude Software, Primavera Software, Critical Software, Out Systems, WeDo, Brisa, Bial, Grupo Amorim, Quinta do Monte d'Oiro, Activespace Technologies, Deimos Engenharia, Lusospace, Skysoft, Space Services. E, obviamente, Portugal Telecom Inovação. Mas também dos grupos Pestana, Vila Galé, Porto Bay, BES Turismo e Amorim Turismo.
E depois há ainda grandes empresas multinacionais instaladas no País, mas dirigidas por portugueses, trabalhando com técnicos portugueses, que há anos e anos obtêm grande sucesso junto das casas mãe, como a Siemens Portugal, Bosch, Vulcano, Alcatel, BP Portugal, McDonalds (que desenvolveu em Portugal um sistema em tempo real que permite saber quantas refeições e de que tipo são vendidas em cada estabelecimento da cadeia norte-americana).
É este o País em que também vivemos.
É este o País de sucesso que convive com o País estatisticamente sempre na cauda da Europa, sempre com péssimos índices na educação, e com problemas na saúde, no ambiente, etc. Mas nós só falamos do País que está mal. Daquele que não acompanhou o progresso. Do que se atrasou em relação à média europeia.
Está na altura de olharmos para o que de muito bom temos feito. De nos orgulharmos disso. De mostrarmos ao mundo os nossos sucessos - e não invariavelmente o que não corre bem, acompanhado por uma fotografia de uma velhinha vestida de preto, puxando pela arreata um burro que, por sua vez, puxa uma carroça cheia de palha. E ao mostrarmos ao mundo os nossos sucessos, não só futebolísticos, colocamo-nos também na situação de levar muitos outros portugueses a tentarem replicar o que de bom se tem feito.
Porque, na verdade, se os maus exemplos são imitados, porque não hão-de os bons ser também seguidos?

Digam lá, não é tão bom ver as coisas pelo lado positivo?

terça-feira, outubro 17, 2006

É a vida....


Depois disto tenho a sensação que cerca de metade do meu auditório (ou seja 1) vai fugir a sete pés!

Sobre o Orçamento

Ainda não o li ,embora já me tenham dito que é uma boa ideia. Só li partes de alguns jornais e ouvi comentários na televisão. Mas do que ouvi, e li, algumas coisas ma parecem um pouco estranhas e suscitam-me algumas questões:
1- se a ideia é a da igualdade (palavras de Teixeira dos Santos), porque é que os solteiros vão pagar mais de IRS do que os casados? Sim, porque na prática é isso que se passa. Se tivessem uma base de dados melhor já não precisavam desta medida para evitar a fraude, ou já não bastava as penalizações por não ter filhos?
2-como é que se vai cortar na despesa se o famoso PRACE nunca mais avança e o "monstro" cada vez aumenta mais o que leva a que a despesa aumente em 2007 mais do que deveria?
3- será que o Governo ignorou as precisões internacionais para a diminuição do crescimento nos países que são o núcleo duro das nossa exportações?
4- eu não sei o que eles pensam, mas eu se fosse da PJ ria-me com este aumento de 3ml€, no ano passado as transferências extraordinárias foram muito superiores. A não ser que o combate ao crime (sobretudo o económico e financeiro) de repente tivesse deixado e ser uma prioridade para o Governo.
Mas acho que sobretudo ( e repito, pelo que sei), o Governo podia ter ido mais longe no corte da despesa pública, sim, porque o tempo para grandes reformas começa e escassear.

Não é defeito, é feitio

Têm-me "acusado" que este meu blogue fala demasiado de política. Não é de política, mas sim de políticas. E sim, interesso-me bastante pelo assunto, não tenho culpa. Mas prometo que vou tentar diversificar (mas não muito tá bem!). Afinal, é uma questão de feitio!

segunda-feira, outubro 16, 2006

Agradecimentos!

O meu muito obrigado ao Duarte (desculpa, mas não sei mesmo escrever aquela coisa), ao Flecha Ruiz , ao Duarte Branquinho ( e restante equipa) e ao Jorge Ferreira pelos respectivos links para este pequeno e humilde espaço na blogosfera!

Notas Soltas

Depois de um revigorante fim-de-semana fora ( e já vi que as coisas andaram animadas aqui na caixa dos comentários) deixo algumas notas soltas para reflexão:

O eterno chantagista:
- já estava na altura de alguém pôr mão (não num sentido bélico) naquele senhor da Coreia do Norte. Depois de um ensaio nuclear que se duvida que realmente tenha existido lá vem Kim Jong-il com a velha canção :"nós somos uma potência nuclear e connosco é só conversa, nada de acções militares". E agora toda a gente volta às negociações a 6 à muito suspensas. Este caso da Coreia do norte deve ser um exemplo firme por parte da comunidade internacionla, e não é com aquela "resoluçãozinha" que lá vão. Não se esqueçãm que isto pode-se tornar num exemplo para o caso do Irão...
*
sobre o Sol:
- sinceramente, um jornal que se quer afirmar como referência bem podia ter uma revista menos estilo Ana, Lux, Maria, etc;
- qual é a do Professor Marcelo a vir dizer que o Sol é anti-governo e o Expresso pró- governo? Não era suposto a imprensa ser (pelo menos aparentemente) independente?
*
a eterna Baixa:
- estava eu a preparar-me para postar sobre o plano de reabilitação da baixa quando ,e aparece Carmona Rodrigues (Expresso) a dizer que se calhar o plano foi mal estudado (por ele ) e que, se calhar, os custos são demasiado elevados. Talvez se o Sr. Engenheiro lê-se os documentos que entrega aos outros evitasse situações destas (só lhe ficam mal sabe)...
*
ainda as avaliações:
- sem querer generalizar (até porque acho que são dos funcionários públicos mais mal tratados a par com as polícias) meteram-me um pouco de repulsa as declarações que ouvi este fim-de-semana de alguns professores, mas queria destacar esta em particular: "- Eu não admito que ninguém me avalie, porque ninguém tem competência para tal. A mim pagam-me para avaliar, não para ser avaliada.(voz de uma dirigente sindical)". É por estas e por outras que uma grande parte da opinião pública não está do vosso lado...
*
de novo os critérios...
- mais uma vez o Expresso traz uma reportagem sobre os voos da CIA, mais uma vez nem um pequeno nos media, nem "unzinho"...
*
e para acabar...
.... O professor Marcelo. Já não é a primeira vez que eu noto que o Professor , de quem eu tive a (in)felicidade de ser aluno, não se prepara muito para o programa domingueiro que tem e , muitas vezes, vai mesmo mal informado o que o leva a dizer coisas que não sabe. Para quem dorme tão pouco, podia se preparar melhor , não?;
- e que ele gosta de se achar superior aos outros já eu sabia, agora chamar de ignorante e iletrado a Manuel Pinho é um pouco demais, sim, porque ele não o disse directamente, mas de certeza que o pensou!

quinta-feira, outubro 12, 2006

Manifs e Representações - adendado


Facto: independentemente do número de pessoas presentes a manifestação de hoje uma as maiores realizadas, o que quer dizer que este Governo está realmente a incomodar alguém.
Agora discutamos o facto. As pessoas representadas naquela manifestação não passam das passoas afectadas pelas medidas do Governo, ou seja, os instalados, aqueles que nunca querem que nada mude a não ser o aumento do seu salário. por que é que para os senhores da CGTP está sempre tudo mal desde que a solução não passe pelos seus interesses?
Qual é o mal dos funcionários públicos serem avaliados? Têm medo que a incompetência de alguns seja revelada? Porque é que não podem trabalhar até aos 65 como os do sector privado? Vé digam-me? Trabalhm mais é? Porque é que têm que ser promovidos sem serem avaliados?
A verdade é que a CGTP e seus associados estão todos revoltados com o Governo, mas o resto da população ( e as sondagens demonstram-no) estão ao lado das mudanças que estão a ser feitas. Porque será? Sim, porque eles é que perdem os empregos, não são os funcionários públicos.
Peço desculpa pelo discurso agressivo, mas às vezes oiço coisas que realmente me tiram do sério!
Adenda - acabei de ouvir um senhor na televisão a dizer que não se admitem as medidas do Governo que visam a o combate às baixas fraudulentas pelos funcionários públicos. Sim, porque era só o que faltava não?

Porque Ela hoje precisa

No mais fundo de ti
Eu sei que te traí, mãe.

Tudo porque já não sou
O menino adormecido
No fundo dos teus olhos.
Tudo porque ignoras
Que há leitos onde o frio não se demora
E noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
São duras, mãe,
E o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
Que apertava junto ao coração
No retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
Talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
Que todo o meu corpo cresceu,
E até o meu coração
Ficou enorme, mãe!

Olha - queres ouvir-me? -
Às vezes ainda sou o menino
Que adormeceu nos teus olhos;

Ainda aperto contra o coração
Rosas tão brancas
Como as que tens na moldura;

Ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
No meio do laranjal...

Mas - tu sabes - a noite é enorme,
E todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
Dei às aves os meus olhos a beber.

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.

(Eugénio de Andrade)

quarta-feira, outubro 11, 2006

Vamos ver em que é que isto dá

Ainda sobre o aborto...
Será que ainda ninguém se deu conta que o aborto, mesmo depois do referendo, vai continuar a ser considerado como um crime, e que a despenalização até às dez semanas é apenas mais uma das excepções a adicionar às que já existem no Código Penal? Vá lá, é só preciso pensarem um bocadinho.
Mais, que ideia estapafúrdia era aquela da Zita Seabra? Crime sem pena? Caso investigado, julgamento, e no final a pena é o arquivamento? Vamos lá ver, da última vez que eu me apercebi isto ainda era um Estado de Direito e não uma República das Bananas. Cabe na cabeça de alguém fazer uma mulher passar por um julgamento, que é das piores coisas que lhe pode acontecer depois de fazer um aborto, andar anos a fio com um processo em tribunal, ser considerada como uma criminosa e no final de tudo o caso ser pura e simplesmente arquivado?
Quando o assunto começar a ser discutido com a seriedade que merece eu "posto" mais qualquer coisinha.

terça-feira, outubro 10, 2006

Homenagem do dia


A homenagem de hoje vai para o Eng João Cravinho, o homem que proporcionou a compra dos Alfa -Pendulares pela CP. Esses fantásticos, rápidos e extremamente baratos comboios que nos proporcionam uma excelente viagem ( e sobretudo baratíssima) entre Porto e Lisboa e que apesar de tudo foram muito mais baratos do que vão ser os TGV.

De volta!


Depois de uma ausência de alguns dias regresso com esta sugestão. É o novo album de Caetano Veloso. Comprei-o ontem enquanto vageava pela Rua de Sta Catarina, a fazer horas para apanhar o comboio de regresso a Lisboa. Ouviu durante a viagem, longa, mas em boa companhia.

sábado, outubro 07, 2006

Simplesmente Vanessa


Então? Para quando os apelos para ir receber esta fantástica senhora ao aeroporto? com escolta policial até ao Jamor? com uma recepção apoteótica? condecoração presidencial? À pois, esta fica em primeiro lugar!

Critérios!



Ultimamente tem sido tema de análise na blogosfera os critérios de escolha do alinhamento das notícias nos telejornais. Sinceramente,tal assunto tanto me aquece como me arrefece, desde que seja noticiado. Agora o que me irrita é quando não é. Principalmente quando é uma notícia actual e com todo o relevo.
Perguntam, mas ele está a falar de quê?
Pois bem, estou a falar da investigação do Expresso sobre as passagens dos aviões da secreta norte-americana por Portugal, especialmente pela cidade do Porto, conduzidas pelos repórteres Micael Pereira e Vera Lúcia Arreigoso. Já é a segunda ou terceira semana que o Expresso trás dados até agora desconhecidos sobre tal assunto e não vi (e se alguém viu que me avise) rigorosamente nada nas televisões sobre o assunto, não vi um único comentador a trazer o assunto "à baila". Nada!
Ou alguém quer abafar o assunto, ou então os especiais de informação sobre o senhor Scolari e as suas conferências de imprensa passaram a ter uma componente mais informativa e relevante do que o envolvimento do nosso país na captura e transporte ilegal de prisioneiros ou na completa falta de controlo aero-portuário que há no nosso país!

Alguém que explique...

...porque é que os portugueses têm a eterna mania de falar nas costas das outras pessoas ou então de fazereem comentários em tom de voz hiper baixo, mas mesmo assim dando a entender que está a fazer um comentário depreciativo sobre a nossa pessoa.
Sinceramente custa-me a entender, somos uma cambada de hipócritas ou somos mesmo cobardes e não temos a coragem de dizer na cara da pessoa o que realmente pensamos dela.
A mim, devo confessar, ocorrem-me diversas vezes dessas situações. Silêncio quando me aproximo, ou então os irritáveis comentários em que depois digo "o que é que disseste?" e a pessoa com a maior cara-de-pau se afasta ou então diz "eu?, eu não disse nada".
No fundo, somos é uma cambada de cobardes, que nem pelas nossas afirmações damos a cara.
E a quem dá, sabem de que é que são apelidados? Pois, estúpidos!

Em análise


O plano de reabilitação da baixa lisboeta. Já encontrei inúmeros pontos que não me agradam nem de perto (como o hotel de luxo a criar no edificio do ministério da Justiça), e outros que vão ao encontro de coisas que eu reclamo à muito (como a revitalização da vida nocturna e "correrem" com muita coisa que nã trás beneficio nenhuma quem lá vive).
Em breve colocarei uma análise mais elaborada e informada.

pergunto eu....

...ao senhor Scolari e aos jogadores da selecção de "todos nós".
Se não temos obrigação de ganhar ao Azerbeijão, então obrigação de ganhar a quem?

sexta-feira, outubro 06, 2006

INEXISTENTE?

Confesso que não estava nos meus planos postar no dia de hoje, até porque estou a ter um dia demasiado ocupado, e não se está a passar nada de especial neste cantinho à beira mar plantado.
Dizia eu, não estava, porque passou a estar. E aproveito este tempinho pós-almoço (sim eu sei que é tarde) para vos transmitir a minha mais profunda raiva e indignação pelo que me aconteceu hoje de manhã. Então foi assim:
Hoje de manhã diriji-me à secretaria de uma afamada instituição deste país (cujo nome não interessa, por enquanto) a fim de me darem determinadas explicações. Depois de dar o meu número de identificação que me liga a esse local a simpática senhora que me atende diz-me com um grande sorriso: "-Desculpe, mas você é inexistente nos nossos ficheiros." (Agora imaginem a minha cara, visto que frequento tal instituição à nada menos que 2anos) "-Inexistente?" - digo eu- "Mas como?", explicando que na página da internet de tal instituição eu sou bem existente, além de a frequentar à 2 anos.
Resposta: "-Bem, então vou ter que chamar o meu superior. "
Aparece-me então, quase meia hora depois, um senhor barbudo, baixo, entroncado, que me convida a entrar para dentro da dita secretaria. Sentamo-nos a uma mesa e eu expliquei-lhe sossegadamente a situação, apresentando-lhe o meu cartão que me liga àquela instituição, assim como o meu BI.
Resposta:"-Bem , se não consta nos registos só pode haver duas soluções: ou o que me apresenta é falso, ou há um erro nos registos."
Passei-me.
Convidei então o senhor a ligar-se à página Web de tal instituição a fim de confirmar que os meus dados se encontravam lá.
Rendido à evidências foi finalmente buscar os registos escritos e realmente confirmou que a razão estava do meu lado. Assim , tratou de chamar (finalmente) o responsável pela electrónica e encarregou-o de tratar da minha situação e garantui-me pessoalmente que a minha situação iria ser resolvida a curto prazo.
Lixado da vida, porque nisto tudo perdi duas horas do meu dia extremamente atarefado, abandonei tal local com a certeza que se não me resolvessem o meu caso, até o mais tardar segunda-feira, a afamada instituição ia ficar com uma nódoa no seu "livrinho de reclamações".
Depois disto deixo apenas uma pergunta ao senhor José Sócrates (que de certeza é um leitor assiduo deste blog). Quando é que essa coisa que o senhor chama de "choque tecnológico" chega às instituições públicas deste país? Até lá, não simplex que lhe valha.

quinta-feira, outubro 05, 2006

o post que não chegou a ser (corrigido)

Estava eu sentado no sofá, depois de jantar um delicioso bacalhau nas brasas com batatas a murro, a ver o telejornal, quando de repente começa a reportagem típica de um feriado: um(a) repórter na rua a perguntar às pessoas "Sabe porque é que hoje é feriado?". "Bem!" (Pensei eu para cá com os meus botões) "Isto dava um bom post. Assim os meus leitores (poucos, mas decerto do melhor que há por aí) até se riam um bocado"
Devo confessar que a ideia depressa perdeu vigor, pois a sucessão de patetices e estupidez que se seguiu foi tão degradante que passava todos os limites da piada. E o pior? É que a desculpa era sempre a mesma "já não ando na escola há muito tempo", ou então, "já dei essa matéria há muito tempo". Sem mais comentários a fazer, e se se querem rir, vão ver a Revolta dos Pastéis de Nata, já que o Family Guy e o Daily show já deram, ou então leiam este post da Ana Gomes no Causa Nossa (o final, então, é hilariante).
Até amanhã!

Citação do dia:

"Prefiro mil idiotas eleitos a um idiota que sucede a outro!"

Anónimo aos microfones da TSF durante as cerimónias do 5/10

de volta

Já que eles voltaram ao activo, reservei igualmente um espaço aqui ao lado para eles.

Aproveitem porque não ver muito disto!




Foi certeiro o discurso de Cavaco Silva.Afirmou que o combate à corrupção tem que vir de cima e que o relacionamento dos cidadãos com o poder comum tem que ser mais transparente. Para que a relação dos cidadãos com os poderes públicos melhore e que se restaure a confiança popular nas classes políticas.

Criticar não só os políticos centrais, como também os magistrados, os autarcas,as forças de segurança, os funcionários públicos, e também os jornalistas fez transparecer que o combate à corrupção é uma obrigação de todos. Para que o regime republicano e democrático recupere a sua dignidade.

Porque é preciso recordar...


Foi à 96 Anos!!!!!!

quarta-feira, outubro 04, 2006

Sugestões Blogosféricas

Ah! Pronto, tá bem!

À uns meses numa entrevista José Miguel Júdice caracterizava o português como um "merdas", uma pessoa inamovivel seja por que motivo for, que não luta por nada e tá sempre à espera que, ou os outros façam por eles, ou que as coisas acabem por acontecer por obra e graça do Espírito Santo.
Ontem, Maria Filomena Mónica dizia o mesmo, mas por outras palavras, que os portugueses estavam habituados a que tudo se fizesse e por isso não estavam habituados a lutar por nada, e consequentemente, davam menos valor às coisas que tinham (não num sentido material , de posse, mas num sentido social, democrático).
Daí esta minha intervenção. Até à uns tempos não tinha pensado muito nisso, mas com o raiar da crise em que nos encontramos comecei a apreciar melhor os comportamentos das pessoas e as suas reacções às medidas um pouco mais severas que os sucessivos Governos têm adoptado. E comecei a ver como têm razão as pessoas que citei. As pessoas não se mexem, tão sempre à espera que o Governo ou os outros façam tudo por elas. Mas ainda pior, quando os seus direitos são atingidos ficam imóveis, e a única coisa que sabem dizer é "tá bem, se tem que ser assim". Podem-lhes estar a roubar o carro ou a espancá-los (no sentido figurado , claro) que a reacção é sempre a mesma " se é para combater o défice".
E lembrei-me de escrever isto depois de ver uma reportagem na televisão sobre a subida das tarifas da EMEL (essa empresa sem poderes de autoridae, mas que mesmo assim bloqueia carros, cobra as tarifas que quer, multa mesmo quando os seus parquímetros estão avariados, etc etc etc), onde, nalguns casos, as subidas foram de 100%. Qual a reacção? "Ah, se tem que ser, também temos que combater a crise não é?". Mas qual quê? Será que as pessoas são cegas ou são mesmo burras e estúpidas? Não vêm que lhes estão a meter a mão ao bolso , com o pretexto de uma lei que tinha o objectivo de equilibrar o preço dos parques?
Por amor de Deus, deixem de ser uns coninhas e lutem pelos vossos direitos. deixem de dar desculpas esfarrapadas para não quererem mover uma palha!
A crise? Sim, a crise existe, mas é uma crise de identidade nacional, uma crise de valores, uma crise da sociedade, uma crise de democracia. Hoje em dia , infelizmente toda a gente vai atrás da opinião maioritária, e os que se erguem para fazer uma crítica, ou para colocar uma questão são considerados como os deturpadores da verdade, os de sempre, os que só sabem dizer mal.
"Porque afinal isto está mal, mas no fundo eles são todos iguais, e se eu fizer alguma coisa, se largar o comando e me levantar do sofá, se parar de atirar lixo para o chão, se começar a poupar em desperdícios e começar a investir no futuro, se educar os meus filhos, se me ducar a mim próprio etc etc, não vai valer de nada, porque sozinho não vou mudar o mundo."
Infelizmente muitos (talvez demasiados)pensam assim, e são esses que têm que acabar com o "tá bem" e começar com o "porquê?"!

Porque é preciso recordar...

(15 Maio 1906 - 13 Fevereiro 1965)

...quem lutou pela nossa liberdade e pela nossa democracia!

nota:clique na imagem

Aqui é que ia ser uma festa!

Diz o Correio da Manhã de hoje (sem link) que o Governo Mexicano, como forma de combate à corrupção, instalou nos serviços píblicos um botão de alarme para que sempre que um cidadão seja abordado para subornar um funcionário possa carregar nesse botão e o funcionário imediatamente detido pelas autoridades.
Tá a ouvir Sr. Teixeira dos Santos? Aqui está uma boa forma de reduzir os funcionários públicos....

Ai vai reclamar?Ai vai para Tribunal?

Ouço eu hoje na Sic-Noticias, para meu grande espanto, que o Governo está a ponderar o levantamento do sigilo bancário em situações em que os contribuintes decidam reclamar dos serviços de finanças e mesmo quando avancem com processos em tribunal contra estas últimas.
O QUÊ?
Então eu reclamo, porque entendo que os meus direitos foram atingidos e ainda por cima sou prejudicado pelo facto, como se fosse um criminoso que anda a esconder alguma coisa ao fisco?
Acordem amiguinhos, os que reclamam e vão para tribunal são os "desgraçadinhos", porque aqueles que vocês andam atrás (presumo eu) não têm o seu "dinheirinho" por cá. Já fugiram com ele à muito tempo para outros paraísos. Só que neste caso fiscais.....

Há cada hipócrita!

O Sr. Fernando Ruas Presidente da ANMP e da Câmara Municipal de Viseu, antes conhecido como o "Sr-corram-os-fiscais-à-pedrada" aparece-nos hoje na televisão com um ar de santinho de pau-oco a dizer que nunca ameaçou tomar qualquer medida de retaliação contra a nova lei das finanças locais e, que qualquer medida será apenas tomada hoje no Congresso Nacinal de Municipios.
Ora vamos lá ver uma coisa, sou eu que sou parvo, oiço mal, vejo mal, etc etc, ou este senhor tá a gozar com as nossas caras. Quer dizer, ainda no sábado, na Antena1, dizia à Flôr Pedroso que haveria medidas que iam afectar os serviços que as câmaras faziam por delagação do Estado, nomeadamente através das escolas, segurança, serviços de saúde, etc. E hoje aparece-me na Lusa a dizer que não.
Das duas uma, ou o Sr. é um hipócrita, ou aquelas reuniões de ontem puseram-no no seu lugar!

Experimentem

Já coloquei aqui de lado os links para os meus blogues preferidos e aqueles que são para mim uma referência incontornável na blogosfera.
Com o tempo outros surgirão!

terça-feira, outubro 03, 2006

faltas de coerência?

Não podia deixar de falar nisto. Então ontem o Público noticiava que os EUA vão contruir um muro na sua fronteira com o México para evitar a entrada de emigrantes ilegais provenientes da América Central e do Sul.
Vamos lá ver uma coisa, não foi esse país que no princípio criticou Israel por construir um muro à volta da Faixa de Gaza (embora depois tenha vindo a mudar de ideias)? E já agora, tanto proteccionismo não será pior para o querido país em que mais de 10% do PIB advém da mão-de-obra proveniente do México?
Estão a proteger-se ou a proteger os outros de vocês?

Quando é que isto acaba?

Nos EUA morreram mais 3 crianças e 7 ficaram feridas quando um homem de 32 anos entrou numa escola e , literalmente, fuzilou-as.
Infelizmente estes casos estão-se a tornar mais comuns nos EUA, e embora se pensa-se que depois de Columbine aquele país ia tomar alguma acção em relação à venda e porte de armas, o que constatamos é que estes casos ocorrem cada vez mais e o acesso às armas continua a ser dos mais abertos. Será que eles não se importam? Será que o valor da vida humana não significa nada? Quantos mais têm que morrer para se tomarem medidas activas sobre o assunto?
Enquanto nós, os parvos dos europeus nos preocupamos, os barões das armas americanos enriquecem cada vez mais....

o homem foi assim tão mau?

Ontem, Souto Moura, futuro Ex-PGR, disse, no final de uuma conferência na UM que devia ter contratado centenas de assessores de imprensa e de imagem, aludindo ao facto de ser sempre apanhado pelos jornalistas nas piores situações e as suas respostas (o próprio confessa) não terem sido as melhores.
Apetece-me reflectir um pouco sobre o assunto. Será que o mandato de Souto Moura foi assim tão mau e tão atribulado, cheio de incompetência e casos mal resolvidos? Ou será que o mandato de Souto Moura é apenas apreciado por aquilo que a comunicação social transmitiu e decidiu dar relevo? Souto Moura é a origem, ou mais uma consequência do MAU funcionamento da justiça em Portugal?
Penso que não podemos atribuir todas as culpas a Souto Moura e fazer passar todo o seu mandato pelos processos Casa Pia e Envelope 9. Porquê? Primeiro, porque o Processo Casa Pia é um processo extremamente complexo e que encontrou pelo caminho pessoas com poder social e político que tudo fizeram para descredibilizar o processo e quem estava à frente dele, nomeadamente Souto Moura; segundo , porque as escutas telefónicas em Portugal são mal regulamentadas e com enormes lacunas, e a culpa disso é do legislador, não do aplicador. poderão dizer: mas ele é que tinha que pôr um travão a isso. Sim, mas ele tomou o processo em mãos (caso não se lembrem) depois das primeiras prisões, e a maior parte das escutas são anteriores a isso.
Quanto ao "envelope 9", ponho umas questões: Não é verdade que na notícia estava apenas a informação que o número do presidente estava anexado ao número de Paulo Pedroso? E não quer isso dizer Pia? Então de quem é a culpa? De Souto Moura? Dos Procuradores? Do funcionário da PT?
Já agora, porque é que ninguém se dá ao trabalho de ver os inúmeros casos resolvidos pela PGR durante o mandato de SM e apenas se resumem apenas a 2 processos?
E já agora, porque é que o PS insiste em não deixar SM ir ao Parlamento dar explicações?
Não podia concordar mais com António José Teixeira, quando diz que todos os Procuradores deviam ser ouvidos no Parlamento no início e no fim de mandato, e no início, não apenas como um acto formal, mas como um acto vinculativo para a sua nomeação.

Adenda: fica aqui o link para alguém que está muito mais dentro do assunto que eu.

O fim da crise

Portugal vence concurso nacional de arroz!

Adenda: pessoalmente acho que temos o melhor arroz do mundo, mas isso não vem ao caso

hoje em dia ouve-se cada coisa

"Ainda não fomos à banca rota, porque os bancos estão cheios de dinheiro. Porque no final de contas este país não produz nada!"

Perguntam os caros leitores, quem foi o génio que produziu esta frase? Talvez João César das Neves (esse guru do "optimismo"), ou outro notável economista da nossa praça....Mas não, esta frase foi pronunciada pela fantástica........... Lili Caneças.
Agora uma pergunta ao Senhor Pinto de Sousa (mais conhecido como José Sóctrates) porque é que esta senhora ainda não foi nomeada governadora do Banco de Portugal?
Aguardam-se reacções....

P.S. : Não perguntei onde e quando ouvi estas declarações pois seria extremamente vergonhoso para mim revelá-lo

Egocentrismo!

No final deste meu primeiro dia de bloguer profissional a contei com 15 visitas e 46 page views , dados dos quais posso retirar algumas conclusões: 1º não é só a minha mãe que visita o meu blogue; 2º que alguns vieram e voltaram, o que demonstra que alguma coisa fez com que voltassem (não sei é o quê); 3º podiam ter vindo muito mais, mas não vieram porque preferiram o Blasfémias 8e também não sei porquê).
Muito obrigado a todos e juro que quando acabar com este blogue, ou talvez no seu primeiro aniversário (se chegar lá, o que dúvido!), volto a fazer uma coisa destas.......

segunda-feira, outubro 02, 2006

A república das bananas

Serviço público


Já que por cá não se deu muita atenção ao assunto publico aqui ,para quem estiver interessado, os resultados finais do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins por Clubes que decorreu em Angola (que a RTPN e a RTP África fizeram o favor de transmitir):
1º- Bassano (Itália),
2º Reús (Espanha),
3º Benfica (Portugal),
4º FC Porto (Portugal),
5º Olimpia (Argentina),
6º Lodi (Italia),
7ºConcepcion (Argentina)
8º Estudantil (Chilé),
9º Petro de Luanda (Angola),
10º Juventude de Viana (Angola),
11ºSertãozinho (Brasil),
12º Desportivo de Maputo(Moçambique

No comments!


«Jammu Kashmir policewomen detain female demonstratorrs in Srinagar, India. Police swong bamboo sticks and fired tear gas at dozns of rock-throwing protesters as rallies continued for the third straight day in the India portion of Kashmir against the upcoming executionof a kashmir man convicted of plotting a 2001 terror attackon India's Parliament.» [USA Today Link] (via o Jumento)

Antena Aberta?

Um dos motivos que me levou a começar a "postar" neste dia foi o tema do programa "Antena Aberta" que a rádio "Antena 1" transmite de manhã. Ia eu no carro quando começa o programa. O tema do dia? As reacções do mundo ocidental (o mundo dito livre) às pressões dos radicais islâmicos, nomeadamente o cancelamento, pela direcção da Ópera de Berlim da adaptação da obra de Mozart "Idomeneo" e o igual cancelamanto de umas festas tradicionais numa aldeia espanhola nas quais a cabaça de uns gigantones eram implodidas. Qual o problema nestas duas situações? Na primeira a cabeça de Maomé era decapitada (juntamente com a de Cristo, Buda e Poséidon, mas isso não importa!), na segunda, a cabeça do mesmo é implodida.
começa por falar o comentador/jornalista Carlos Magno que reflecte a maioria das posições adoptadas na semana passada pelos "opinion makers",e que se pode resumir que o medo está a dominar as sociedades ocidentais, e que Não pode prevalecer à liberdade de opinião e de livre expressão artística que domina estas sociedades, e que na minha opinião (a primeira) constitui a base fundamental destas sociedades, porque, sinceramente, eu nasci em liberdade e não admito a NINGUÉM! que ma restrinja. Até aqui tudo bem, ele explicou a razão do medo, a retirada das acções, os prós , os contras, e o resto da história vocês já sabem.
Mas o meu problema começa no segundo ouvinte e por aí adiante. Ora começam estes senhores (e senhoras) a desvirtuar a história toda. Começam pela velha história da Guerra do Iraque, do Afeganistão , do Líbano, e imagine-se, vão até aos Balcãs. A história é sempre a mesma: os Ocidentias são sempre os agressores, metem-se sempre onde não devem, matam quem querem e quando querem, e acima de tudo não respeitam ninguém, matam os muçulmanos, fazem guerras ilegais, etc etc. Sim, eu também sou contra a Guerra no Iraque, mas pelos modos como foi conduzida, pelas teorias que se fizeram e que não passavam de puras mentiras, mas pergunto, alguém acha que os assassinatos que Saddam fazia ao seu povo podiam continuar? Ou que já à muito que a ONU devia ter intervido? Ou que o genocídio na Jugoslávia podia continuar?
Mas voltando ao tema. Diz uma senhora: "a minha liberdade (leia-se dos ocidentais) termina quando começa a dos outros (leia-se dos muçulmanos)". É verdade, mas volto a perguntar, porque é que eu não posso exprimir a minha liberdade e eles podem? nomeadamente quando queimam bandeiras, ameaçãm pessoas e governos, nações, religiões, etc?
Não estou a ser fundamentalista, como alguns poderão vir a afirmar, só estou a defender o "ocidental way of life", pois se esles querem que nos respeitemos o modo de vida deles, deixem de ameaçar o nosso!

Nota: apesar de ser católico respeito, e muito, as outras religiões, mas aqui não estão em causa religiões, estão modos de vida e de sociedade, que acia de tudo têm que ser respeitados, sob pena de voltarmos a um tempo medieval em que o medo leva a que as pessoas reprimam os suas ideias e as suas acções.

O Início

Decidi ceder às pressões que alguns amigos me têm feito e criar o meu próprio blog, em vez de andar por esse mundo da blogosfera como mero comentador, como uma espécie de "emplastro" que aproveitava as ideias dos outros para dar as suas.
Assim crio este blog sem fazer muitas promessas. vou tentar dar as minhas opiniões da forma mais clara e , obviamente sem tentar criar consensos, pois é na diversidade que se constroem as sociedades.
Prometo que vai ser um blog apartidário, sem ideologias fanáticas, que falará de tudo o que o que me vier à cabeça, desde a política, ao futebol,aos desportos que por cá são considerados amadores( e dos quais eu sou grande fã) ou até à Elsa Raposo (se bem que vou evitar esta última!).
Sei que vou ser mais um neste mundo, cada vez maior, da blogosfera, mas se tiver uma visita por dia já fico satisfeito (nem que seja a minha).
Cumprimentos e sejam sempre bem vindos!!!!!!!